26 de jun de 2017

#8. Resenha - Passarinha e O sol é para todos





Os livros Passarinha - Kathryn Erskine e O sol é para todos - Harper Lee, foram dois grandes achados na minha vida de leitora. Primeiro, porque são livros narrados sob a ótica de duas crianças sobre assuntos muito difíceis e densos, mas com a leveza do olhar infantil, sem, contudo, retirar das histórias, o peso e a complexidade de cada uma delas.

Eu iria começar a ler Passarinha, que estava na minha meta pessoal, mas ao começar a ler o livro, percebi algumas referências ao filme O Sol é para todos. À princípio, pensei que entenderia melhor o livro da meta, se lesse primeiro, ou paralelamente o outro. Eu me enganei, mas me surpreendi com duas histórias maravilhosas em sua essência.


Posso destacar dois pontos importantes das duas narrativas: A vontade de acertar, ou de andar de braços dado com a coerência dos atos aos olhos do mundo atual; muita coisa pode soar como atitudes de otários, de gente que quer mudar o que não pode mais ser mudado por causa da falência da moral e de fazer as coisas da forma certa, aquele velho e conhecido “Jeitinho Brasileiro”, que sempre encontra uma brecha para subverter a ordem natural das coisas. Isso ficou bem claro no romance de Harper Lee, quando Atticus Fincher, o pai de Scout e Jem, procura educá-los de forma verdadeira e para que sejam pessoas justas quando crescerem, mesmo que isso queira dizer que ele vai ter que ir de encontro a muitos interesses.

No romance Passarinha, Caitlin, apresenta um distúrbio chamado Síndrome de Asperger e tem que enfrentar as limitações do distúrbio e, em contrapartida, apresenta uma inteligência pessoal para a sua idade, muito aguçada para fazer as coisas dentro das regras. Ela tem que conviver com a falta do seu irmão, que morreu prematuramente e deixou o seu pai desolado. Ela trata o incidente como o dia em que “nossa vida desmoronou”. Mas, é ela, com todas essas limitações que vai nos fazer enxergar que existem saídas possíveis para todos os problemas que temos que enfrentar no nosso dia-a-dia. Caitlin, ao longo da história, vai demonstrando ao seu pai que é preciso encontrar um “Desfecho” que os faça seguir com suas vidas de uma forma positiva e isso dá todo o sentido à história. Pode reservar seus lencinhos, vão surgir muitas lágrimas no decorrer dessa história!



O segundo ponto é a luta para vencer os obstáculos que os que não têm interesse de mudar a história colocam para dificultar a vida de quem busca a vida com coerência e liberdade. A aceitação, ou inclusão de pessoas que possam mudar o mundo para melhor não apenas para si mesmo, mas para todos! Esse é o grande motivo dos livros, acredito eu; acolher aquele que é diferente, sem negligenciar nada de suas necessidades. Ver o posicionamento de crianças ou sua indagação a respeito do porquê tratamos assuntos relativamente iguais de formas diferentes, dependendo das pessoas envolvidas é um questionamento, no mínimo perturbador para a sociedade hipócrita que cria leis para beneficiar a alguns que se sentem mais privilegiados do que outros e joga os indivíduos que não fazem parte de suas “castas” no abandono e esquecimento.

Fico imaginando se alguns de nós também não temos
Síndrome de Asperger...

Caitlin, luta o livro todo pelo “Desfecho” que modificará a sua vida e de seu pai. É uma boa luta, cheia de altos e baixos, mas com um saldo positivo, dado a gravidade do que ocorreu com o seu irmão Devon. Eu amei o livro Passarinha e acredito que ele foi um livro que eu não poderia jamais deixar de ler!


Filme - O sol é para todos
Scout e seu pai Atticus Fincher
Scout (O sol é para todos), vê e narra toda a opressão que sofre o seu pai e a sua família por ele colocar-se a favor de uma minoria que é perseguida apenas pela cor de sua pele. Tenta entender o porquê de todos os fatos diante da “justiça branca” que usa sempre “dois pesos e duas medidas” para pesar e classificar as pessoas. O livro é magnífico e também não poderia deixar de lê-lo e de encerrar a leitura com uma certa saudade, pois é muito bom quando você encontra as verdades que alguns sempre tentam esconder expostas nas linhas de um grande clássico.

Eu procurei nessa resenha compartilhada (de dois livros), não colocar muita coisa que já não fosse conhecida para não dar “spoilers”, mas acho que disse tudo o que poderia sobre os livros resenhados, o resto, o próprio leitor deverá descobrir em sua leitura particular. Espero que gostem!

Um grande abraço,

Drica.