21 de fev de 2017

#5. Resenha - Coração de Vidro

Coração de Vidro



Esse lindo romance escrito por José Mauro de Vasconcelos e publicado em 1964 é composto por quatro contos com diferentes personagens que vão descrever o apogeu e o declínio de uma propriedade rural.

Cheio dos encantos próprios da infância e da juventude, o livro traz dentro de si uma atmosfera arejada e leve, com doçura indescritível e com um aviso aos corações puros: “Mas os homens estragavam tudo...”

O homem e sua mania de se apoderar daquilo que é da natureza vai dizimando a face da terra e, do seu jeito simples, José Mauro vai contando de uma forma poética o quanto o homem podia machucar o coração puro e sem maldade das criaturas pequenas.

O livro físico, eu acredito que só exista em sebos, ou na versão digital, que foi a que eu li. Mas, mesmo em versão digital é muito válido fazer essa leitura para poder explorar o Coração de Vidro que existe dentro de cada um de nós.

Eu não paro de me encantar com suas histórias e, nessa releitura, pude me emocionar novamente como há anos atrás quando li pela primeira vez, na minha juventude!

Meu pai tinha muitos livros, quase toda a coleção escrita por José Mauro de Vasconcelos e fico feliz por ter lido a maior parte deles, pois acredito que eles ajudaram a moldar o meu interior.

Um abraço a todos!

Drica.

______________________________

José Mauro nasceu de família nordestina, que migrara para São Paulo. Os pais tinham tão poucos recursos que ele, ainda criança, teve de se transferir para o Nordeste, onde foi criado pelos tios em Natal.
Quando cresceu e se tornou adulto, lançou seu primeiro livro, o romance Banana Brava, de 1942, onde reflete o mundo dos homens do garimpo. Mas a obra não alcançou bons resultados na época, apesar de algumas críticas favoráveis. Rosinha, Minha Canoa, de 1962, marca seu primeiro sucesso. No livro Meu Pé de Laranja Lima, de 1968, seu maior sucesso editorial, serve-se de sua experiência pessoal para retratar o choque sofrido na infância com as bruscas mudanças da vida. Foi escrito em apenas doze dias.
Ganhou o prêmio Jabuti de 1967, na categoria Romance, com o Livro Confissões do frei Abóbora.
(Fonte: Winkipédia)